Anatomia de um leitor RFID

Um leitor RFID essencialmente se compõe dos seguinte blocos:

  • Alimentação;
  • Antena;
  • Amplificador de sinal.

E opcionalmente existe um microcontrolador para decodificar o sinal e já apresentar o código da tag em um formato compreensível.

Tomando como exemplo o Módulo RDM6300:

Modulo_RFID_UART_RDM6300_DSC00520_640_automalabs.com.br

A antena não aparece na foto, mas da esquerda para a direita temos os seguintes componentes ativos:

  • LM358 – Responsável pela amplificação de sinal – Essencial;
  • 1117 – Regulador de tensão de 3.3V – Poderia não estar presente se a tensão já fosse regulada externamente;
  • SILF330 – Microcontrolador – Não essencial.

O objetivo do microcontrolador neste módulo é simplificar a vida do usuário. Ele decodifica o sinal presente na saída do amplificador baseado em LM358 e apresenta na saída do módulo o valor da tag já com uma interface padrão UART TTL. Isso permite que o próximo estágio, implementado pelo usuário, só tenha o trabalho de comparar as tags lidas com as tags armazenadas.

Porém é perfeitamente possível, se necessário, ligar a saída do amplificador diretamente em um pino de um Arduino e implementar a rotina de decodificação você mesmo. Isso é explicado neste artigo que mostra como fazer seu próprio leitor RFID, de onde eu retirei o diagrama abaixo, que mostra quase todo o essencial em um leitor RFID:

No diagrama acima, temos o LM324 fazendo o mesmo papel do LM358.

Se o leitor tiver interface USB o chip diretamente conectado a ela pode ser um simples conversor UART TTL – USB de baixo custo como um CH340 ou Silabs cp2101. Se assim for será possível obter o código em formato compatível com o Arduino em um dos pinos desse chip. Mas em alguns casos o mesmo microcontrolador que faz a decodificação também faz a interface USB, obrigando-nos a coletar o código ainda modulado na saída do amplificador

Tags:

  1. Samuel’s avatar

    Boa noite.
    Usando o circuito da figura, não ficou claro se devo usar a alimentação (no VCC) em 3,3 ou 5 Volts.
    No caso do RDM, acredito que o 3,3 volts acredito que foi usado para regular a alimentação para o controlador.

    Qual a alimentação você usou no circuito montado?

    Att,

    Samuel

    Responder

    1. Jefferson’s avatar

      Quando um circuito tem um regulador de 3.3V e apenas uma entrada de alimentação, ele somente vai funcionar se for alimentado com mais que 3.3V. No caso, são 5V.
      Se tivesse clicado no primeiro link teria visto isso.

      Responder

    2. Samuel’s avatar

      Obrigado Jefferson.
      Estou montando esse circuito e apareceram 2 dúvidas:
      1) Estou tendo dificuldades em encontrar capacitor de 7nF no mercado. Esse valor está correto?
      Se estiver, pode me dar alguma referência (datasheet)?
      2) O Diodo D2 é ligado no GND e na outra extremidade na bobina. Certo?

      Obrigado,
      Samuel.

      Responder

      1. Samuel’s avatar

        Acho que não fui muito claro na segunda pergunta.
        Qual a finalidade do D9?

        Responder

      2. Jefferson’s avatar

        Samuel, o objetivo deste post não é ensinar a construir um leitor de RFID. É explicar como um leitor comercial é constituído para ajudar na manutenção ou modificação de um.

        O valor 7nF não existe comercialmente. Se está correto somente o autor do desenho ou alguém com o necessário conhecimento de RF pode dizer, mas não é incomum em circuitos de precisão o projetista colocar no desenho o valor necessário, mesmo que não exista, e o montador se virar para obter esse valor através de combinações.

        Eu suponho que “D9” refere-se ao pino D9 do Arduino. Seria o pino usado para transmitir códigos via RFID. Mas transmissão não foi implementada no código fonte do projeto.

        Responder

Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *